Advogada de Curitiba é condenada por estelionato na venda de precatórios

Publicado por: admin
19/01/2023 17:03:34
Exibições: 153
Ilustração Cortesia Editorial Pixabay
Ilustração Cortesia Editorial Pixabay

Essa é a primeira condenação criminal da advogada, mas o número de pessoas lesadas pode ser muito maior

 

Valéria Premebida dos Santos, advogada conhecida pela comercialização de créditos de precatórios e dona do Escritório de advocacia Premebida Advogados Associados, cujo site até pouco tempo indicava a venda de precatórios como uma das suas especialidades, foi processada criminalmente por quatro vítimas que compraram seus precatórios e depois descobriram que foram vítimas de um golpe!

 

Recentemente o Tribunal de Justiça do Paraná reconheceu o golpe, condenando Valéria pela prática do crime de estelionato. Isso porque a advogada Valéria comercializou créditos de precatórios que não lhe pertenciam, omitiu nas escrituras que tais créditos possuíam diversas restrições para enganar as vítimas e convencê-las a comprar um crédito que nunca seria pago. Descobriu-se também que Valéria, antes de revender os créditos para as vítimas, havia comprado esses títulos com um cheque sem fundos.

 

O golpe foi praticado em 2013, mas somente no final do ano de 2022, após 9 anos, Valéria foi condenada à pena de 1 ano e 3 meses de prisão, bem como à reparação do dano às vítimas.

 

Após a sua condenação, Valéria apresentou um pedido de acordo para a Justiça chamado de Acordo de Não Persecução Penal, o qual exige a confissão circunstanciada do crime e a reparação do dano. Em troca, Valéria teria que cumprir uma pena de prestação de serviços à comunidade, mas não teria antecedentes criminais, evitando assim a perda do seu registro profissional. Isso porque, a prática de crime de estelionato por advogada no exercício da sua profissão é causa de exclusão da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

 

Essa é a primeira condenação criminal da advogada. Porém, o número de pessoas lesadas pode ser muito maior, vez que há outros registros de processos cíveis cobrando créditos precatórios comercializados por ela.

 

“O caso é grave, principalmente porque praticado por uma advogada que se apresentava na sociedade curitibana como especialista na venda desses créditos de precatórios, aproveitando-se da confiança dessas pessoas para praticar o crime. A OAB/PR tem que dar uma resposta dura para esse tipo de caso, para advogados que se aproveitam da profissão para praticar crimes, sob pena de macular a imagem de todos os advogados”, comenta a advogada Alessi Brandão, do escritório Beno Brandão Advogados Associados, que atuou como assistente de acusação no caso.

 

Por Marielle Blaskievicz

Inteiro Teor da Decisão

 

Imagens de notícias

Documentos da notícia

Tags:

Compartilhar

Vídeos relacionados

Comentários