"Campanha de desinformação e propaganda" >Ucrânia reage

Publicado por: admin
04/08/2022 15:19:14
Exibições: 177
Estudo de IA diz que colocar armas em áreas residenciais viola o direito internacional humanitário, pois transforma alvos civis em alvos militares
Estudo de IA diz que colocar armas em áreas residenciais viola o direito internacional humanitário, pois transforma alvos civis em alvos militares

Kyiv reagiu ao relatório da Anistia Internacional com acusações sobre as Forças Armadas ucranianas

 

A organização internacional de direitos humanos Anistia Internacional disse em um novo relatório que os militares ucranianos estão colocando em risco a população civil ao criar bases e colocar armas em áreas residenciais, incluindo escolas e hospitais, durante a defesa contra uma invasão russa em grande escala .

 

O ministro das Relações Exteriores, Dmytro Kuleba, classificou a declaração da Anistia Internacional como injusta no Facebook: "Este comportamento da Anistia Internacional não é encontrar e transmitir a verdade ao mundo, é criar um falso equilíbrio entre o criminoso e a vítima, entre um país que destrói milhares de civis e cidades inteiras, e um país que se defende desesperadamente, salvando seu povo e um continente inteiro desse ataque”.

 

Kuleba pediu para não se envolver em "criar uma falsa realidade onde todos são um pouco culpados de alguma coisa".

 

"Ocupe-se relatando a verdade sobre o que a Rússia é hoje", apelou.

Ao mesmo tempo, o assessor do chefe do Gabinete do Presidente da Ucrânia, Mykhailo Podolyak, disse que a Anistia Internacional está participando da campanha russa de desinformação e propaganda para desacreditar as Forças Armadas da Ucrânia.

 

O estudo indicou que colocar armas em áreas residenciais viola o direito internacional humanitário, pois transforma objetos civis em alvos militares. Como resultado dos ataques russos em áreas povoadas, civis são mortos e a infraestrutura civil é destruída, observam os defensores dos direitos humanos.


Ativistas de direitos humanos afirmam que as forças armadas estavam baseadas em prédios residenciais em 19 cidades e vilarejos nas regiões de Kharkiv, Donetsk e Mykolaiv. A maioria das áreas residenciais onde os soldados estavam estacionados ficava a vários quilômetros da linha de frente.

 

"Estar em uma posição defensiva não isenta os militares ucranianos do cumprimento da lei humanitária internacional", disse o secretário-geral da Anistia Internacional, Agniesz Callamar. - O governo ucraniano deve garantir imediatamente o posicionamento de suas forças longe das áreas povoadas ou evacuar a população civil das áreas onde os militares operam."

 

Mykhailo Podolyak, conselheiro do chefe do Gabinete do Presidente da Ucrânia, enfatizou que "a única coisa que representa uma ameaça à vida dos ucranianos é o exército de ladrões, carrascos e estupradores russos que vieram à Ucrânia para cometer genocídio".

 

O território da colônia em Olenivka após a explosão de 28 de julho no quartel onde os prisioneiros de guerra ucranianos foram mantidos. Imagem de satélite Maxar Technologies datada de 30 de julho de 2022

"Nossos defensores defendem seu povo e suas famílias. A vida das pessoas é uma prioridade absoluta para a Ucrânia, e é por isso que estamos evacuando os moradores das cidades da linha de frente. Hoje, a Rússia está fazendo todos os esforços para desacreditar as Forças Armadas da Ucrânia aos olhos das sociedades ocidentais e interromper o fornecimento de armas, usando toda a rede de seus agentes de influência. É uma pena que uma organização como a Anistia Internacional esteja participando dessa campanha de desinformação e propaganda", escreveu Podolyak no Twitter.

Ao mesmo tempo, a Anistia Internacional aponta que a Rússia realiza ataques indiscriminados, principalmente com o uso de munições proibidas pela comunidade internacional. A organização registrou que a Rússia cometeu crimes de guerra em Kharkiv. "A Anistia não encontrou evidências de que as forças ucranianas estivessem em áreas civis atacadas ilegalmente pelos militares russos", diz o relatório.

 

No mês passado, outra organização de direitos humanos, a Human Rights Watch  , disse que as forças russas e ucranianas estão colocando civis na Ucrânia em risco desnecessário ao enviar suas forças para áreas povoadas e não transferir os moradores para áreas mais seguras.

 

Em 31 de julho, a ONU confirmou 5.327 casos de morte e 7.257 casos de feridos de civis na Ucrânia como resultado da invasão em grande escala da Rússia . Ao mesmo tempo, a organização ressalta que os números reais são muito maiores.

Editado por Mike N.

Informações da Agencia Radiosvobda

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários