Bósnia-Herzegovina pode ser o próximo local de conflito alimentado pela Rússia

Publicado por: Miken
15/04/2022 12:35:52
Exibições: 96
Alguns pedestres caminham pela rua devastada pela guerra em Grbavica, Sarajevo, Bósnia, após a luta entre sérvios e mu (CC0/PD) picrylçulmanos..
Alguns pedestres caminham pela rua devastada pela guerra em Grbavica, Sarajevo, Bósnia, após a luta entre sérvios e mu (CC0/PD) picrylçulmanos..

A Bósnia-Herzegovina pode tornar-se o próximo local de conflito alimentado pela Rússia. Os russos podem usar argumentos semelhantes aos usados na Ucrânia.

 

A política internacional é normalmente discutida em termos de períodos históricos associados a características específicas.

 

Para muitos, a invasão da Ucrânia pela Rússia marca o início de um novo período de confrontos de superpotências. Entramos num mundo onde grandes Estados militarmente poderosos lutarão por influência, reconhecimento e controlo sobre o que consideram elementos importantes do sistema internacional.

 

Pensar em categorias, no entanto, esconde o fato de que a política internacional se desdobra cumulativamente. Tensões latentes e acordos políticos desatualizados muitas vezes criam as condições para conflitos futuros. Inclusive hoje.

 

A invasão da Ucrânia pela Rússia está associada à história de ambos os Estados e ao conflito em curso que se seguiu à anexação da Crimeia em 2014. Para muitos, a guerra atual é uma continuação e uma escalada de um conflito existente.

 

Mas há outros lugares onde a Rússia poderia usar o poder político ou militar para expandir a sua influência.

 

Em vez de ver as ações russas na Ucrânia como únicas, é preciso lembrar que há um contexto mais amplo no qual a Rússia trabalhará para alcançar os seus objetivos. Independentemente do que vier da guerra na Ucrânia, há outros lugares que a Rússia pode estar de olho.

 

Bósnia-Herzegovina em risco?

Bósnia-Herzegovina é de longe o exemplo mais importante. A Republika Srpska, uma província sérvia na Bósnia criada no final da Guerra da Bósnia, comemorou o seu 30.º aniversário no dia 9 de janeiro de 2022. A liderança da província pressionou por maior autonomia e talvez até independência.

 

A iminente crise na Ucrânia ofuscou isso, mas as tensões estão relacionadas. O embaixador da Rússia na Bósnia-Herzegovina, Igor Kalbukhov, e a primeira-ministra da Sérvia, Ana Brnabic, participaram em eventos para comemorar o aniversário juntos.

 

A Bósnia-Herzegovina e a Ucrânia estão conectadas porque ambas são lugares onde a Rússia acredita que pode realizar o seu desejo de ser reconhecida como uma força global.

 

Na Ucrânia e na Geórgia, a Rússia lutou ostensivamente. Na Bósnia-Herzegovina, os laços históricos da Rússia com os sérvios – devido à herança eslava e ortodoxa compartilhada e suas alianças durante a Primeira e a Segunda Guerras Mundiais – fornecem uma justificativa semelhante.

 

Os acordos de Dayton, o tratado que encerrou a guerra na Bósnia-Herzegovina em 1995, está a mostrar a sua idade, e o resultado dessa guerra pode agora desempenhar um papel noutra competição entre a Rússia e o Ocidente.

 

A paz foi celebrada na altura, mas provou ser um fracasso. A guerra entre grupos étnicos terminou e um Governo federal frouxo foi criado, mas a reconciliação real entre sérvios, croatas e bósnios não aconteceu.

 

Isto significa que a Rússia pode alegar que deve usar o seu poder para proteger um grupo étnico subjugado. Como os de li

língua  russo na Ucrânia e na Geórgia, as exigências políticas sérvias podem tornar-se um pretexto para a ação russa.

 

Construção estatal inexistente

etnia desempenha um papel importante na política bósnia porque as pessoas pensam nas suas necessidades, desafios e oportunidades em termos étnicos.

 

A construção do Estado – o processo pelo qual os Estados passam ao criar os sistemas e instituições que lhes permitem servir a sua população – tem sido limitada, deixando as pessoas a depender do apoio de grupos étnicos.

 

O fracasso da Bósnia significa duas coisas. O conflito civil que se espalha pelas fronteiras da Bósnia pode ressurgir se as tensões aumentarem, e a Rússia pode alinhar o seu objetivo de exercer mais influência na política europeia com os apelos sérvios por autodeterminação. Dada a posição da Bósnia no flanco da União Europeia, isso representa um risco de segurança para a UE.

 

Trocado por miúdos, a Rússia tem uma situação pronta que lhe permite usar o poder diplomático, político ou mesmo militar para promover os seus esforços para competir contra a influência ocidental.

 

Isso pode envolver maior apoio político ou económico aos sérvios bósnios, apoio às forças sérvias em caso de conflito ou até mesmo conduzir uma operação militar rotulada como “manutenção da paz”. Essa possibilidade final é, na verdade, o que a Rússia argumentou que estava a fazer quando invadiu a Geórgia em 2008.

 

Este artigo foi publicado originalmente por: Planeta ZAP // The Conversation

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários