Para uma ação nuclear é preciso lembrar a reação

Publicado por: Miken
18/03/2022 10:18:13
Exibições: 218
Cortesia Editorial Pixabay/iStock
Cortesia Editorial Pixabay/iStock

Quem não quer a guerra deve se lembrar da eterna lição da Guerra Fria: as partes se absterão de lutar se souberem de antemão que perderão tudo.

 

 

Hoje, quando o presidente russo Vladimir Putin ameaçou usar armas nucleares se o Ocidente tentar intervir militarmente na Ucrânia, a OTAN está empenhada em reviver a doutrina da destruição mútua garantida ( abreviada como VGZ).

 

A lógica do VGZ era extremamente sombria, mas não louca. Tanto a União Soviética quanto os Estados Unidos ( e todos os países da OTAN) sabiam que, se um atacasse o outro, seria destruído em troca. O principal nesse equilíbrio era a garantia de destruição do agressor caso ele lançasse um ataque.

 

Essa garantia de retaliação total assumiu várias formas, desde uma tríade nuclear até um comando militar duro, como o ex-general da Força Aérea dos EUA Curtis Lemay. Como resultado, nenhuma das superpotências queria atacar primeiro, e a Guerra Fria permaneceu fria.

 

A doutrina VGZ pode ter parecido obsoleta desde o colapso da União Soviética em 1991, mas as últimas ameaças nucleares de Putin levantam preocupações que a doutrina está ajudando a resolver. Por exemplo, o Ocidente retaliará se a Rússia usar armas nucleares contra a Ucrânia e uma nuvem radioativa cobrir a Europa? O que acontecerá se o exército russo explodir uma das usinas nucleares da Ucrânia? Onde exatamente a fronteira deve ser desenhada?

 

O tema comum do Ocidente em tais cenários deve ser garantir as consequências inevitáveis ​​para a Rússia. Isso significa que o Ocidente deve se comprometer a retaliar e informar à Rússia que mesmo um "pequeno" ataque ou incidente nuclear será motivo para responder com uma destruição colossal. Os limites potencialmente confusos do que constitui um ataque ( por exemplo, um míssil russo pode atingir uma base da OTAN ou um comboio) ajudam a expandir o alcance de tais acionamentos. Na década de 1950, o secretário de Estado norte-americano John Foster Dulles afirmou que qualquer ataque - convencional ou nuclear - seria uma desculpa para destruir o agressor.

 

Além disso, de acordo com a lógica da doutrina HCV, a desescalada pode ser alcançada por meio de escalada. Se a Rússia assumir uma postura agressiva e colocar seus mísseis balísticos intercontinentais em alerta máximo, a Otan deve responder sinalizando que o bloco está pronto para responder. A rejeição desse curso de ação pode ser interpretada como falta de determinação, incentivando a Rússia a se comportar ainda mais agressivamente.

 

Durante a crise caribenha de 1962, a estratégia VGZ foi aplicada na vida real. Ao implantar mísseis nucleares em Cuba, o líder soviético Nikita Khrushchev queria intimidar os Estados Unidos e, assim, obter uma concessão do presidente John F. Kennedy, que Khrushchev considerava muito " suave". Se o governo Kennedy cedesse, a chantagem nuclear de Khrushchev aterrorizaria os Estados Unidos por muitos anos.

 

Entendendo a lógica do VGZ, Kennedy respondeu transferindo forças estratégicas dos EUA para o DEFCON 2 ( pronto para uso e ataque em menos de seis horas). E então Khrushchev, diante da perspectiva de provocar uma guerra nuclear ( DEFCON 1) e garantir a destruição mútua, recuou, a crise aguda passou e a União Soviética nunca mais arriscou um confronto nuclear com a OTAN. O confronto americano-soviético no posto de controle Charlie em Berlim em 1961 foi um exemplo semelhante da escalada que levou a uma desescalada de longo prazo: o bloco soviético nunca mais questionou o status de Berlim Ocidental.

 

Infelizmente, o mundo parece ter esquecido a importância de repelir a arrogância descarada das armas nucleares. O valor do VGZ é servir como um equilíbrio de terror: se o equilíbrio desaparecer, restará um terror. Hoje, a OTAN tem a obrigação de equilibrar a ameaça da Rússia de usar bombas nucleares com o compromisso de fazer uma retaliação semelhante e responder à escalada de Putin com sua própria escalada. Neste mundo de destruição mutuamente garantida, as concessões à intimidação nuclear são um sinal de fraqueza que aumenta a probabilidade de guerra.

 

Além disso, no caso de qualquer agressão, a resposta deve ser a guerra total. O paradoxo de Narva ajuda a entender esses cálculos. Suponha que o exército russo capturasse Narva, uma pequena cidade estoniana na fronteira com a Rússia. Se a OTAN não responder a tal ataque a um país do bloco, a aliança estará morta, e todos os países que não possuem armas nucleares e um mecanismo de dissuasão convincente para se defender contra um ataque nuclear se tornarão alvos óbvios para futuras agressões.

 

A resposta limitada da OTAN significará que o agressor pode continuar a empurrar as fronteiras e aumentar as exigências. Foi exatamente isso que Hitler fez, levantando suas demandas por paz. Isso leva à conclusão inevitável de que a resposta deve ser dada " por todos os meios", e não importa quão pequena seja a escala da agressão russa. Significa também que a OTAN deve evitar fazer declarações que não pretende fazer em resposta à agressão. Pelo contrário, a aliança deve sinalizar de forma convincente que está considerando todas as opções.

 

A perspectiva de uma guerra nuclear é terrível. No entanto , a perspectiva do louco com armas nucleares do Kremlin ser capaz de subjugar países ou continentes inteiros pela força, ameaçando lançar seu arsenal contra qualquer um que frustre suas ambições, não parece menos ( e talvez até mais).

 

Hoje, as ambições maníacas da Ucrânia têm sido alvo da Ucrânia, e alguns políticos americanos podem estar se perguntando por que o bloco da OTAN deveria arriscar um confronto nuclear sobre um país que nem faz parte dele. Eventualmente, Putin pode começar a ameaçar países da UE, como Finlândia ou Suécia. Mas, novamente, de acordo com essa lógica, se esses países não são membros da OTAN, por que arriscar o Armagedom? E depois de amanhã, a Polônia ou a Alemanha podem ser o alvo - mas isso não é a América.

 

A Segunda Guerra Mundial é um lembrete sombrio de que uma " discussão em uma terra distante para pessoas sobre as quais nada sabemos" ( como Neville Chamberlain descreveu a crise dos Sudetos) poderia rapidamente se transformar em um incêndio mundial. No entanto, um desenvolvimento tão perigoso não é inevitável.

 

Se a Ucrânia tem a coragem de combater a agressão russa nas condições mais difíceis, então o Ocidente deve encontrar forças para resistir à chantagem nuclear de Putin a fim de preservar a paz na Terra. A Rússia está pronta para matar ucranianos inocentes, mas não está pronta para cometer suicídio. É aqui que reside a chave para evitar novas tragédias indescritíveis.

 

Texto em coautoria com Thorbjorn Becker, Diretor do Stockholm Institute for Transition Economics 

Fonte: Sindicato do Projeto

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários