OMS inclui vício em videogame em classificação internacional de doenças | TVFORENSE.com Televisão via Internet

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou, pela primeira vez, o vício em videogame como uma condição de saúde mental na atualização de sua classificação internacional de doenças, lançada na segunda-feira (18).   Para o transtorno de videogame se...

saude, hipertensão, cardiologia, mitos, verdades, doenças, criança, games, diabetes, infantil, pediatra, cuidados, desidratação, insolação, plano, assistência, avc, alergias

OMS inclui vício em videogame em classificação internacional de doenças

Publicado por: admin
19/06/2018 13:12:50
Divulgação
Divulgação

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou, pela primeira vez, o vício em videogame como uma condição de saúde mental na atualização de sua classificação internacional de doenças, lançada na segunda-feira (18).

 

"Para o transtorno de videogame ser diagnosticado, o padrão de comportamento deve ser de severidade suficiente para resultar em prejuízo significativo nas áreas pessoal, familiar, social, educacional, ocupacional ou outras áreas importantes, tornando-se evidente por pelo menos 12 meses", disse a OMS.

 

Embora alguns relatos da mídia tenham acolhido favoravelmente a designação formal do vício em videogame dentro da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID) como útil para os pacientes, outros a consideraram uma preocupação desnecessária entre os pais.

 

"Há poucos retratos mais verdadeiros do bem-estar de um país do que suas estatísticas de saúde", disse a OMS. Enquanto amplos indicadores econômicos, como o Produto Interno Bruto (PIB), podem distorcer impressões de prosperidade individual, dados sobre doenças e mortes revelam quais as condições reais de vida de uma população.

 

Segundo a OMS, a classificação é o “alicerce das estatísticas de saúde”, codificando a condição humana desde o nascimento até a morte, incluindo todos os fatores que influenciam a saúde.

 

Essas estatísticas formam a base para a prestação de serviços de saúde em todos os lugares e estão no cerne do mapeamento de tendências e epidemias de doenças; ajudando os governos a decidir como o dinheiro é gasto em serviços de saúde.

 

Crucialmente, em um mundo de 7,4 bilhões de pessoas falando quase 7 mil línguas, a classificação dá um vocabulário comum para registrar, relatar e monitorar problemas de saúde, disse a OMS.

 

“Cinquenta anos atrás, seria improvável que uma doença como a esquizofrenia fosse diagnosticada de forma similar no Japão, no Quênia e no Brasil. Agora, no entanto, se um médico em outro país não puder ler os registros médicos de uma pessoa, saberá o que significa o código da classificação”, explicou a OMS

.

Sem a capacidade da classificação de fornecer dados padronizados e consistentes, cada país ou região teria suas próprias denominações, que provavelmente seriam relevantes apenas localmente.

 

"A padronização é a chave que libera a análise global de dados de saúde", disse a OMS.

 

A 11ª edição da classificação internacional foi divulgada na segunda-feira (18) para permitir que os Estados-membros planejem a implementação antes de ser apresentada para adoção na Assembleia Mundial da Saúde de 2019.

 

Notando que esta foi atualizada para o século 21, a OMS disse: “mais de uma década em desenvolvimento, esta versão é uma grande melhoria na CID-10”, acrescentando que agora reflete avanços críticos em ciência e medicina.

 

Além disso, as diretrizes também podem ser integradas a aplicativos de saúde eletrônicos e sistemas de informação — tornando a implementação significativamente mais fácil, menos vulnerável a erros e permitindo que mais detalhes sejam registrados.

 

Clique aqui para acessar o documento (em inglês).

Compartilhar

A Carne é Fraca

Vídeos relacionados