Servidora estadual mãe de autista tem jornada de trabalho reduzida | TVFORENSE.com 100% Internet

TJ-GO autoriza redução de jornada de servidora estadual mãe de filha autista Uma escrivã da Polícia Civil do Estado de Goiás garantiu na Justiça a redução da carga horária de trabalho para acompanhamento médico da filha autista, sem prejuízo na remuner...

decisão, trf4, colón, autista

Servidora estadual mãe de autista tem jornada de trabalho reduzida

Publicado por: admin
28/09/2021 09:50:45
Cortesia Pixabay
Cortesia Pixabay

TJ-GO autoriza redução de jornada de servidora estadual mãe de filha autista



Uma escrivã da Polícia Civil do Estado de Goiás garantiu na Justiça a redução da carga horária de trabalho para acompanhamento médico da filha autista, sem prejuízo na remuneração. A decisão liminar é do juiz substituto em segundo grau Átila Naves Amaral, do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJ-GO). Em defesa da servidora, os advogados Ana Cláudia Mattos, Diêgo Vilela e Johnny Passos ressaltaram que a criança precisa de cuidados médicos especiais e, por isso, a redução da jornada se faz necessária.



A escrivã é lotada na 1ª Delegacia Distrital de Polícia Civil de Itumbiara, a cerca de 210 km de Goiânia (GO) e 410 km de Brasília (DF), e solicitou a redução da carga junto à Administração do Órgão em que trabalha. Contudo, o pedido foi negado pelo seu superior e ratificado pelo secretário de Estado da Administração de Goiás. Diante disso, ela recorreu à Justiça para garantir o direito.



No mandado de segurança, os advogados discorreram sobre o direito líquido e certo de ter a carga horária reduzida, sem restrição de seus rendimentos, uma vez que a pessoa com autismo está sob a proteção das leis federal nº 12.764/2012 (arts. 1º e 4º), e da estadual nº 19.075/2015 (arts. 1º e 5º) e, portanto, tem direito à jornada de trabalho especial, como requerido.



“O tratamento inclui consultas médicas, terapias alternativas e atividades escolares diferenciadas, o que dificulta a conciliação com sua atividade laboral integral, situações que tornam a agenda familiar desgastante e causa entraves no tratamento da menor, nos exatos moldes indicados pelos profissionais especialistas”, acrescentou a defesa.



Decisão

Os argumentos foram considerados pelo magistrado, que deferiu a liminar e determinou ao secretário de Estado da Administração do Estado de Goiás que conceda à servidora a jornada especial de trabalho, sem redução salarial.



Em sua decisão, ele recorreu à lei estadual nº 20.756/2020, que dispõe: “Ao servidor que seja pessoa com deficiência, na forma da lei, e exija cuidados especiais ou tenha, sob seus cuidados, cônjuge, companheiro, filho ou dependente, nessa mesma condição, poderá ser concedida redução de jornada de trabalho para o equivalente a seis horas diárias, 30 semanais e 150 horas mensais”.



“Os documentos colacionados demonstram o fato alegado, as normas estaduais supracitadas e o Princípio da Dignidade da Pessoa Humana, do Direito à Saúde e da Proteção à Família amparam a pretensão da impetrante. O retardamento no tratamento da criança poderá causar-lhe prejuízos irreparáveis a sua saúde”, pontuou Átila Naves Amaral.

(Vinícius Braga)

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários