Pequeno produtor recorre à Justiça e garante aposentadoria rural por idade | TVFORENSE.com 100% Internet

Um trabalhador que sempre desempenhou suas atividades em pequenas lavouras de subsistência, em regime de economia familiar, garantiu na Justiça o direito à aposentadoria rural por idade. A decisão é do juiz Paulo Roberto Paludo, da Comarca de Panamá (G...

previdencia, aposentadoria, ruralista

Pequeno produtor recorre à Justiça e garante aposentadoria rural por idade

Publicado por: admin
21/09/2021 05:51:07
Cortesia Pixabay
Cortesia Pixabay

Um trabalhador que sempre desempenhou suas atividades em pequenas lavouras de subsistência, em regime de economia familiar, garantiu na Justiça o direito à aposentadoria rural por idade. A decisão é do juiz Paulo Roberto Paludo, da Comarca de Panamá (GO), que julgou procedente o pedido do produtor rural, representado na ação pelo advogado previdenciarista Marlos Chizoti.



Na aposentadoria por idade rural, é preciso ter idade mínima de 60 anos, para homens, e de 55, para mulheres, além de 15 anos de atividade rural. Para se caracterizar o chamado “pequeno” produtor, é necessário que a atividade desenvolvida seja rural; que trabalhe efetivamente na terra, como proprietário ou não; que não tenha empregados e que não seja empregado.



O advogado conseguiu comprovar tais requisitos por meio de provas materiais e testemunhais, garantindo a aposentadoria rural do trabalhador. “Sua atividade sempre foi rurícola, que planta pequenas lavouras de subsistência, criando algumas cabeças de animais de pequeno porte, o suficiente para as necessidades da família”, destacou Chizoti no pedido.



Decisão

Em sua decisão, o magistrado considerou os argumentos expostos e julgou procedente o pedido, determinando o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a conceder aposentadoria por idade à parte autora, no valor de um salário mínimo mensal, além do abono anual previsto no artigo 40 e Parágrafo Único da Lei 8.213/91, com efeitos retroativos à data do requerimento administrativo (15/02/2017), incidindo juros moratórios a partir da citação.



“Concedo a antecipação dos efeitos da tutela para determinar, ainda, que o referido benefício seja implantado pelo INSS em favor da parte autora no já referido prazo de 60 dias da ciência desta sentença”, decidiu Paulo Roberto Paludo.

(Vinícius Braga)

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários