O pai, os filhos, o Espírito Santo | TVFORENSE.com 100% Digital 100% Internet

Por Carlos Brickmann Defender Renan Calheiros não chega a ser fácil. Mas tê-lo como inimigo é muito mais difícil. Na guerra da CPI da Covid, Bolsonaro o escalou para inimigo. Pior: para enfrentá-lo, contava com o Centrão. Mas o Centrão já deixou claro ...

noticias, reportagens, jornalismo, video, documentario, reportagens, artigos

O pai, os filhos, o Espírito Santo

Publicado por: admin
21/04/2021 05:23:18
Courtesy Pixaby
Courtesy Pixaby

Por Carlos Brickmann

Defender Renan Calheiros não chega a ser fácil. Mas tê-lo como inimigo é muito mais difícil. Na guerra da CPI da Covid, Bolsonaro o escalou para inimigo. Pior: para enfrentá-lo, contava com o Centrão. Mas o Centrão já deixou claro que, por melhor que tenha sido a acolhida de Bolsonaro a suas reivindicações, isso é passado: agora, são outros (e muitos) quinhentos.

 

O presidente da CPI, Omar Aziz, do PSD, vem trabalhando com Renan, o relator, para traçar um roteiro de trabalho. E, embora o PSD seja Centrão, Aziz disse que ninguém manda numa CPI, que conforme os fatos toma seus próprios rumos. Aliás, o presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, sem dúvida um dos políticos mais hábeis em atuação, transmitiu a orientação de que o partido deve buscar, em cada Estado e município, a aliança que lhe for mais conveniente; e manter-se neutro na luta presidencial. Kassab é mestre nisso: está com Dória, está com Bolsonaro, está fazendo seu PSD crescer.

 

CPI pode virar pizza, e muitas já viraram; mas pode arruinar o estômago do poder. Bolsonaro, com sua capacidade de ocupar o espaço da oposição, exigiu que a CPI, criada para avaliar ao combate à Covid 19, ampliasse seus objetivos para investigar o trabalho de governadores e prefeitos. É justo que cada um responda por seus atos; mas é inviável investigar, numa só CPI, os quase seis mil municípios do país. E, ao fazer essa sugestão, o presidente foi atingir, entre outros, o governador de Alagoas, Renan Filho – filho de Renan.

 

Jogo duro

Renan estava quieto. Agora está ativíssimo e Bolsonaro é seu alvo. Não é um alvo difícil: há vídeos em que o presidente desdenha da Coronavac por sua origem chinesa, em que diz que não irá comprá-la de jeito nenhum, em que determina ao general que tentava ser ministro da Saúde que anulasse um acordo de compra de vacinas do Instituto Butantan. Há declarações gravadas do presidente dizendo que a Pfizer lhe oferecera vacinas e ele as rejeitara. E a própria Pfizer já informou que ofereceu ao Brasil 70 milhões de vacinas e foi repelida. Há a dispendiosa propaganda da cloroquina, há o caso dramático de Manaus, que precisava de oxigênio e recebeu cloroquina. Mais: como não havia oxigênio em Manaus, doentes foram transferidos para outros Estados, difundindo, com dinheiro estatal, a nova variante amazônica de vírus.

 

Tem mais

Dizem que Bolsonaro não terá a menor importância na Conferência do Clima, que reúne líderes internacionais. Mas terá, sim: desempenhará o papel de saco de pancadas. Há interesses de grupos econômicos de grande porte na desmoralização da agroindústria brasileira. Mas o Governo ajuda: no último mês de março, houve recorde de desmatamento na Amazônia. Uma carga de madeira ilegal foi apreendida pela Polícia Federal e o Governo quer porque quer liberá-la. O delegado que apreendeu a madeira foi demitido em seguida.

 

Filho 01

Flávio Bolsonaro sofreu um acidente de quadriciclo na praia da Taíba, no Ceará. Sem problemas, mas desmentiu, bravo, que tenha ido para a praia em avião da FAB. É facílimo comprovar: basta mostrar a passagem comercial. E verificar se não foi paga pelo Senado. Que gente fofoqueira, não é?

 

Filho 04

Jair Renan estreia em negócios: um empresário equipou seu escritório em Brasília, deu-lhe um carro elétrico de presente, e pouco depois quem o recebeu no palácio? Sim, o paipai! Já houve representação contra Jair Renan no Ministério Público e no Tribunal de Contas da União. CPI assim é fácil.

 

Espírito Santo

Coisa brava: um jornal virtual do Espírito Santo, FolhadoES, publicou o nome do vencedor de uma enorme concorrência pública, de R$ 139 milhões, um dia antes que a concorrência se realizasse. Valeu o escrito: ganhou quem o jornal dizia que iria ganhar, uma empresa chinesa, a Dahuá. O governador do Estado, Renato Casagrande, PSB, é acusado de saber o destino de uma propina de R$ 40 milhões. O Governo capixaba desmente tudo. Mas a notícia, que por algum motivo não é divulgada pela imprensa em papel do Estado nem pelos grandes jornais do país, foi forte o suficiente para furar o bloqueio: dois colunistas de porte, Cláudio Humberto (www.diariodopoder.com.br), de Brasília, e Cláudio Tognolli (www.claudiotognolli.com.br) divulgaram amplamente o assunto.

 

Americanos na briga

Tognolli e Cláudio Humberto têm conhecimento de um pen-drive lotado de informações, muita coisa para o Ministério Público averiguar. Ontem, Tognolli noticiou que o IPVM, jornal americano especializado em tecnologia e vigilância, já está na terceira reportagem sobre a licitação e deu uma gravação em português de acertos para que a concorrência atingisse seus objetivos. É bom prestar atenção: os acontecimentos no Espírito Santo têm tudo para concorrer com os de Brasília.

 

Comente:

Carlos Brickmann

carlos@brickmann.com.br

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

A Carne é Fraca