Momento vivido | TVFORENSE.com 100% Internet

Ricardo Pereira de Freitas Guimarães* De repente, toca seu telefone celular, do outro lado, um amigo que você não via há tempos dizendo: estou te ligando para dizer que o Claudinho morreu, nosso amigo de infância, você lamenta demais, pergunta se a fam...

noticias, reportagens, jornalismo, video, documentario, reportagens, artigos

Momento vivido

Publicado por: admin
14/04/2021 11:45:17
Courtesy Pixaby
Courtesy Pixaby

Ricardo Pereira de Freitas Guimarães*

De repente, toca seu telefone celular, do outro lado, um amigo que você não via há tempos dizendo: estou te ligando para dizer que o Claudinho morreu, nosso amigo de infância, você lamenta demais, pergunta se a família precisa de algo, e em seguida desliga e comenta com seus familiares mais próximos. E todos procuram rezar por eles. Uma hora depois, você entra nas redes sociais e vê que uma cantora, de quem você sempre foi fã e profundo admirador, acabou de falecer.

 

Novamente, você divide o assunto com aquele pequeno núcleo familiar com os quais você ainda consegue estar realmente próximo. Três horas depois, um grupo de colegas de profissão via WhatsApp acaba noticiando o estado gravíssimo de mais uma pessoa querida por você. Na mesma noite, já perto da hora de dormir, mais uma vez seu telefone toca dando notícia de que um parente amado acaba de te deixar. Então, você chama seu núcleo familiar e todos sentem demais pelo passamento com lágrimas que não são poupadas.

 

Você, então, já cansado daquele dia e daquela parte da noite, decide ir para a televisão buscando alguma distração para si. Houve apenas três notícias, uma primeira dizendo que estamos muito longe de receber vacinas para imunização; a segunda, dando conta das aglomerações existentes, uma por aqueles que efetivamente precisam trabalhar, e dependem dos transportes públicos, que precisam abrir seus pequenos negócios, e outra por aqueles que insistem em dançar ao som dos aparelhos da UTI e do barulho do zíper do saco preto que revela a morte do que eles chamam de “outros”, ignorando o sacrifício de todos os profissionais da saúde. Como terceira notícia, consequência das duas primeiras, de sua cama, você observa o seu televisor anunciar o número de morte daqueles que aqueles chamam de “outros” que beira 4000 (quatro mil) humanos por dia.

 

Esse contexto, repetido em maior ou menor grau diariamente durante mais de 365 dias, independente da sua situação financeira, independente de quem você é, independente da marca de roupa que você pode usar, independente do vinho que você pode tomar, independente do carro que você pode comprar, independente do grau de instrução que você possa ter, independente do poder que você julga ter é simplesmente avassalador, destruidor do nosso mínimo equilíbrio emocional. Não haverá aqui comentários sobre o culpado ou os culpados dessa destruição que nos foi causada ou pelo menos sobremaneira agravada por esse ou aquele posicionamento. Nosso pedido é apenas para que não nos tratem como os “outros” pois há um grande risco de vocês entrarem para esse grupo em breve.

 

Vamos usar o “nós” como inicial função de nossos diálogos, vamos abraçar nossos queridos, ser sinceros, e principalmente, tudo que você não conseguir fazer em razão desse momento, respeite seu corpo, não faça. Você não está sozinho na dificuldade de concentração, na angústia da alteração tão radical da sua vida, na falta de vontade de se exercitar, pois saiba que sair da cama muitas vezes é passar novamente por tudo que está na parte inicial desse pequeno texto, todos os dias.

 

Aceite sua condição de humano, aceite estar fraco um dia, admita que não é o salvador do mundo (pois Ele por nós já deu a vida). Procure algo para fazer que lhe propicie alguma alegria, fuja do que te deprime, assista um bom filme, vá para cozinha fazer sua comida preferida, brinque com seu cachorro, leia um bom livro, e acima de tudo sorria com seus filhos e pais. E saiba eu e você jamais seremos os “outros”, “nós” seremos sempre “nós”, simplesmente humanos.

 

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários