CPC chega aos cinco anos de vigência com livro que se propõe a decodificá-lo | TVFORENSE.com 100% Internet

Obra de L. F. Queiroz faz da consulta ao código um caminho suave   O Código de Processo Civil completou hoje 17/3 cinco anos de sua vigência e, ao que parece, a data será ignorada. Pois não deveria. “Nunca antes na história”, para ficarmos em uma expre...

noticias, reportagens, jornalismo, video, documentario, reportagens, artigos

CPC chega aos cinco anos de vigência com livro que se propõe a decodificá-lo

Publicado por: admin
17/03/2021 19:30:17
Divulgação
Divulgação

Obra de L. F. Queiroz faz da consulta ao código um caminho suave

 

O Código de Processo Civil completou hoje 17/3 cinco anos de sua vigência e, ao que parece, a data será ignorada. Pois não deveria. “Nunca antes na história”, para ficarmos em uma expressão muito peculiar, houve tanta discussão em torno de um diploma legal. O rascunho do novo CPC começou a tramitar no legislativo a partir do projeto de lei 8.046, de 2010, suscitou debates e gerou a nomeação de uma comissão de juristas que recebeu a incumbência de elaborar um anteprojeto para o CPC. Foi o primeiro Código de Processo Civil elaborado e publicado, de forma plena, sob um regime democrático. Seu objetivo principal, desde sua idealização, era dar agilidade aos processos que tramitam no processo judiciário por meio de regras bem definidas. Em tese, o número de recursos que bateria à porta da Justiça seria reduzido. Na prática, entretanto, isso não se verificou.

 

Como afirma José Miguel Garcia Medina – advogado, professor de direito e um dos juristas convidados para elaborar o anteprojeto do código a convite do Senado Federal –, o CPC estabelece uma uniformidade na jurisprudência. Ou seja, o que é decidido pelos tribunais superiores deve ser replicado nas instâncias inferiores da Justiça. Por teimosia de magistrados, entretanto, isso não ocorre. “Mesmo quando a orientação já está pacificada, há ainda um ‘dedo de prosa’ por parte do juiz ao admitir o recurso e arrastar um processo à frente, quando ele poderia prover resultado sob a estrita observância da lei”, avalia. “Claro que o magistrado deve analisar se o entendimento das cortes superiores tem efeito vinculante ou não, mas é inegável que nenhum de nós tem absoluta liberdade para entender o direito tal como nós o vemos”.

 

O imbróglio vem gerando confusão inclusive quanto à interpretação do código. E é fato que, apesar dos esforços de juristas e da longa tramitação nas comissões da Câmara e do Senado, isso não ajudou a torná-lo mais palatável. Foi pensando nisso que, logo após a publicação do CPC, em 2015, o advogado L. F. Queiroz incumbiu-se da tarefa de simplificá-lo. O resultado foi delineado na edição de um “facilitador” do Código de Processo Civil, mas ganhou formato definitivo com a publicação, no ano passado, do “Decodificador do CPC” em edição impressa e digital. O livro tem a missão de descomplicar o código. E propõe um caminho suave a quem o consulta, através de 660 tópicos e 9.200 enunciados que o levam diretamente ao assunto procurado. Na versão digital, o trajeto é ainda mais breve, uma vez que o e-book permite a consulta simultânea aos 1.072 artigos do CPC e acrescenta uma ferramenta que possibilita, com um apenas um clique, acessar o tema procurado entre tantos outros listados no sumário.

 

O autor afirma que, ao idealizar a obra, tinha em mente os estudantes de direito e os candidatos do Exame da OAB. Desde sua publicação, no entanto, o “Decodificador do CPC” tem ultrapassado essa fronteira, tornando-se um livro de consulta em tribunais e escritórios de advocacia. Como o título sugere, o “Decodificador do CPC” veio à luz para descomplicar. Complicar jamais.

Decodificador do CPC

L.F. Queiroz

(Editora Bonijuris)

586 páginas (versão impressa – R$ 120) www.livrariabonijuris.com.br

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários