WhatsApp rejeita modificação de seus termos de uso | TVFORENSE.com 100% Internet

Após o clamor causado pelo anúncio de seus novos termos de uso, o WhatsApp vai colocá-los em vigor em 15 de maio, em vez de 8 de fevereiro.   Sob o fogo da crítica após o anúncio de uma mudança em seus termos de uso, a plataforma de mensagens móveis Wh...

tecnologia, app, vídeo, stream, streaming, live, stratup, legislação, lgpd

WhatsApp rejeita modificação de seus termos de uso

Publicado por: admin
16/01/2021 15:27:44
Divulgação
Divulgação

Após o clamor causado pelo anúncio de seus novos termos de uso, o WhatsApp vai colocá-los em vigor em 15 de maio, em vez de 8 de fevereiro.

 

Sob o fogo da crítica após o anúncio de uma mudança em seus termos de uso, a plataforma de mensagens móveis WhatsApp decidiu adiar em três meses a entrada em vigor de seus novos termos de uso, buscando tranquilizar os usuários. utilizadores sobre a protecção dos seus dados pessoais.

 

"Agora estamos atrasando a data em que os usuários terão que revisar e concordar com os termos", disse a empresa em um blog na sexta-feira. As alterações, que deveriam entrar em vigor em 8 de fevereiro, não entrarão em vigor até 15 de maio.

 

Na semana passada, o WhatsApp pediu a seus cerca de dois bilhões de usuários que concordassem com as novas condições antes de 8 de fevereiro, ou então eles não poderiam mais acessar sua conta. Esta decisão foi interpretada por muitos detratores como uma tentativa da plataforma de compartilhar mais dados com a controladora, o Facebook, que comprou o WhatsApp em 2014.

 

Confusão

Na sexta-feira, a empresa insistiu que a atualização não "fortaleceria nossa capacidade de compartilhar dados com o Facebook", mas visava principalmente ajudar as empresas a se comunicarem melhor com seus clientes por meio da plataforma.

 

O aplicativo visa principalmente permitir que os anunciantes vendam seus produtos diretamente no WhatsApp, como já é o caso na Índia, seu maior mercado com cerca de 400 milhões de usuários. “Sabemos que tem havido confusão e desinformação sobre essa atualização e queremos ajudar todos a compreender nossos princípios e fatos”, disse a empresa.

 

As conversas do WhatsApp continuarão protegidas de ponta a ponta e nem o Facebook nem o WhatsApp conseguirão ver essas mensagens privadas, garante ela.

 

O anúncio da atualização na semana passada causou pânico e raiva entre muitos usuários, que ficaram alarmados com o abandono dos valores fundadores do WhatsApp. O aplicativo construiu sua reputação em particular na proteção de dados. A plataforma tentou apagar o fogo com anúncios tranquilizadores e campanhas publicitárias, mas serviços concorrentes, como Signal e Telegram, aproveitaram a confusão e viram seus downloads disparar.

 

O caprichoso chefe da Tesla, Elon Musk, até encorajou seus seguidores no Twitter a usar o Signal, considerado um dos aplicativos mais seguros do mercado.

 

Na tarde de sexta-feira, a Signal admitiu no Twitter ter encontrado "dificuldades técnicas" diante do fluxo de novos usuários, como já aconteceu no início da semana. “Adicionamos novos servidores e capacidade extra ininterrupta todos os dias desta semana, mas o que aconteceu hoje vai muito além de nossas projeções mais otimistas”, disse a plataforma.

 

Críticas pelo mundo

Por seu turno, a Autoridade da Concorrência da Turquia anunciou esta segunda-feira a abertura de uma investigação contra o WhatsApp e o Facebook, exigindo a suspensão da atualização. As autoridades do país têm nos últimos dias instado os cidadãos a favorecer o uso de um aplicativo de mensagens local, BiP, desenvolvido pela operadora móvel Turkcell.

 

Na Itália, a Autoridade de Proteção de Dados determinou que o WhatsApp não comunicou claramente a natureza das mudanças aos seus clientes. “As condições de uso e as novas medidas de privacidade não permitem que os usuários entendam quais mudanças são introduzidas e qual será o processamento concreto dos dados após 8 de fevereiro”, disse a instituição italiana nesta quinta-feira.

 

O Facebook está na mira de muitos reguladores que acreditam que a aquisição de empresas e sua integração ao ecossistema do grupo é prejudicial à concorrência. Em dezembro, várias autoridades dos EUA pediram aos tribunais que obrigassem o gigante das mídias sociais a se separar do Instagram e do WhatsApp.

 

De forma mais geral, os grandes nomes da tecnologia são regularmente acusados ​​de querer usar mais e mais informações pessoais para aumentar sua receita de publicidade.

 

Na sexta-feira, a plataforma de reservas de carros com motorista do Uber anunciou mudanças em seus termos de uso, a partir de 18 de janeiro. "Observe que não fazemos nenhuma alteração na forma como usamos seus dados", no entanto, apressou-se em esclarecer a empresa.

 

Fonte Original: TDG AFP

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

A Carne é Fraca

Comentários