Ou vai à luta, ou te conforma | TVFORENSE.com Televisão via Internet

Léo Rosa de Andrade   Má-fé é uma expressão cara para os existencialistas. Significa a não assunção da responsabilidade em ter responsabilidade. Ninguém está isento do encargo de escolher nem das consequências das escolhas.   Posso escolher não escolhe...

artigo, reportagem, documentário, vídeo, notas, colunista, opinião, critica, jornalismo, vídeos

Ou vai à luta, ou te conforma

Publicado por: admin
10/08/2020 15:07:28
Courtesy Pixabay
Courtesy Pixabay

Léo Rosa de Andrade

 

Má-fé é uma expressão cara para os existencialistas. Significa a não assunção da responsabilidade em ter responsabilidade. Ninguém está isento do encargo de escolher nem das consequências das escolhas.

 

Posso escolher não escolher. Com essa decisão resta decidido que tudo o que me envolve permanece no estado de coisas vigente. Aí, má-fé: atribuição de culpa a outro pela conjuntura que não me agrada.

 

Algum outro é culpado; sou, apenas, ausente. Minha culpa é justamente essa: escolher a ausência. Os ausentes envolvem a Sociedade nas consequências de suas escolhas, ainda que sejam não escolhas.

 

O Brasil é resultado, sobretudo, de ações e omissões dos brasileiros. A França inclui (e o mundo), entre outras coisas, o ativismo político do existencialista mais engajado e combativo de todos: Sartre.

 

Jean-Paul Sartre foi professor, filósofo, escritor, teatrólogo e crítico. Foi militante. Defendia e praticava que especialmente os intelectuais estavam obrigados a desempenhar papel ativo na Sociedade.

 

A existência precede a essência: o humano não nasce com determinações nem conteúdos, então, lutar pela qualidade da vida pública é contribuir para que se tenha melhor existência, logo, melhor essência.

 

A História não limita categoricamente o indivíduo; produz contingências, ou propiciadoras, ou adversas. Um povo pode herdar um país em desordem moral, mas esse povo pode conduzi-lo para outra condição.

 

A História não renuncia a seus agentes. A Tradição Cristã crê em vontade divina. A mentalidade cristã brasileira de direita e de esquerda não compreende nada sobre a constituição material da realidade.

 

Não costumamos nos arriscar na tarefa de pelejar com a História. Não somos agentes da nossa vida pública. Somos crentes. Acreditamos, à esquerda e à direita, em divindades e em salvadores políticos.

 

Sigmund Freud: “Qual sua responsabilidade na desordem da qual você se queixa?”. Seja: na lamentação da nossa triste situação política e moral, não temos algum consentimento ou responsabilidade?

 

Não obstante a recente História, a direita vingativa pede o retorno de facínoras da Ditadura Militar de 1964. Apesar de evidências, a esquerda ressentida resguarda um líder demagogo, populista, ladrão.

 

No meio disso, para muitos brasileiros, pouco se lhes dá o rumo do Brasil: com feitios de pureza, afirmam-se enojados de políticos; dizem-se desinteressados por política, optam pela alienação voluntária.

 

Afastamo-nos da res pública, tornando-nos estranhos a ela, ignorando as formas de produção de sua realidade; o que nela sucede adquire conformações autônomas e antagônicas ao nosso interesse.

 

O mundo político encistou-se; vive de si para si. O Brasil xinga o mundo político. Astuciosos capitalizam as circunstâncias. A direita religiosa arremeda o nazismo. Certa esquerda flerta com o fascismo.

 

Direita saudosista do passado macabro: autoritarismo, disciplina social, repressão policial. Esquerda inconformada com a perda do poder: acusa conspiração, desabona a Justiça; “ou nós, ou eles”.

 

Os brasileiros podemos mais que isso, mas a solução não advirá de meros queixumes. Se almejamos outra coisa, a militância se impõe. As eleições estão aí: incumbe empenho, participação, candidatura.

 

Outros políticos, só com outros candidatos. Busca a vida política, as atividades de partido. Ou sartreana, ou freudiana, assume responsabilidade. Ou vai à luta e faz a hora, ou espera acontecer e te conforma.

 

Léo Rosa de Andrade

Doutor em Direito pela UFSC.

Psicanalista e Jornalista.

 

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

A Carne é Fraca

Vídeos relacionados