O dinheiro compra mais felicidade do que nunca, conclui estudo | TVFORENSE.com Televisão via Internet

Muitos fatores determinam a felicidade, mas um provocou considerável controvérsia ao longo dos anos: dinheiro. As opiniões dividem-se, mas um novo estudo vem tirar as teimas.   Enquanto o velho ditado diz que dinheiro não compra felicidade, vários estu...

comportamento, sociopata, psicopata, psicologia, psiquiatria, psicosocial, paixão, apaixonado, separação

O dinheiro compra mais felicidade do que nunca, conclui estudo

Publicado por: admin
16/07/2020 13:12:33
Agencia Brasil
Agencia Brasil

Muitos fatores determinam a felicidade, mas um provocou considerável controvérsia ao longo dos anos: dinheiro. As opiniões dividem-se, mas um novo estudo vem tirar as teimas.

 

Enquanto o velho ditado diz que dinheiro não compra felicidade, vários estudos determinaram que quanto mais o seu salário aumenta, mais feliz você fica, até 75.000 dólares por ano. Depois de atingir esse limite, mais rendimentos não fazem diferença.

 

No entanto, num novo estudo publicado recentemente na revista científica Emotion, os investigadores analisaram mais de 40 mil adultos norte-americanos com 30 anos ou mais e descobriram uma relação ainda mais profunda entre dinheiro e felicidade.

 

Como os dados do estudo foram recolhidos durante cinco décadas, de 1972 a 2016, também foi possível ver se o vínculo entre dinheiro e felicidade mudou ao longo dos anos. Foi aí que as coisas tornaram-se interessantes: hoje, dinheiro e felicidade estão mais fortemente relacionados do que no passado. Parece que o dinheiro compra mais felicidade do que costumava.

 

Os cientistas decidiram olhar para as tendências de felicidade através dos olhos das várias classes sociais, especificamente através de rendimento e educação.

 

Entre os norte-americanos brancos na década de 1970, os adultos com e sem diploma universitário eram igualmente propensos a dizer que estavam “muito felizes” – cerca de 40%. Mas, na década de 2010, havia um fosso educacional na felicidade: apenas 29% dos que não possuíam um diploma disseram estar muito felizes, em comparação com 40% dos que tinham um diploma. O mesmo aconteceu com o rendimento: a diferença de felicidade por nível de rendimento aumentou cada vez mais entre 1970 e 2010.

 

 

A felicidade dos afro-americanos com maior instrução académica e rendimento aumentou entre 1970 e 2010, enquanto a felicidade daqueles com menos educação e rendimento permaneceu constante. Assim, uma pequena diferença de felicidade por nível de rendimento na década de 1970 tornou-se uma diferença maior na década de 2010 para os afro-americanos.

 

Além disso, diferentemente dos estudos anteriores, não havia plateau de felicidade ou saturação em níveis mais altos de rendimento. Por exemplo, os adultos que ganham 160.000 dólares ou mais por ano, em 2020, são mais felizes do que aqueles que ganham entre 115.000 e 160.000 dólares.

 

Podes existir muitas razões para estas tendências. Por um lado, a desigualdade de rendimento aumentou: os ricos ficaram mais ricos e os pobres ficaram mais pobres. Hoje, o CEO médio de uma empresa ganha 271 vezes o salário de um trabalhador, acima das 30 vezes mais em 1978. Embora fosse possível comprar uma casa e sustentar uma família com o ensino médio, isso tornou-se cada vez mais difícil.

 

Numa sociedade com mais desigualdade de rendimento, o abismo entre os que têm e os que não têm é mais acentuado, com uma classe média mais reduzida. Isto ocorre em parte porque os custos de habitação, educação e saúde superaram a inflação e os salários não foram mantidos, mesmo quando os trabalhadores tornaram-se mais produtivos.

 

As taxas de casamento também podem explicar parte da tendência. Na década de 1970, as taxas de casamento dificilmente diferiam por classe, mas agora as pessoas com mais rendimento e habilitações académicas têm maior probabilidade de se casar. As pessoas casadas são, em média, mais felizes do que as solteiras.

 

Fonte: Planeta ZAP // The Conversation

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

A Carne é Fraca