Decapitações, tortura e raptos. Moçambique na onda de violência | TVFORENSE.com Televisão via Internet

Os conflitos na província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, provocaram pelo menos 100.000 deslocados internos, anunciou hoje o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).     Segundo a agência das Nações Unidas, “pelo menos 1...

noticias, artigos, notas, releases, pautas, tv, acontecimentos, fatos, reportagens

Decapitações, tortura e raptos. Moçambique na onda de violência

Publicado por: admin
09/02/2020 14:58:10

Os conflitos na província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, provocaram pelo menos 100.000 deslocados internos, anunciou hoje o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

 

 

Segundo a agência das Nações Unidas, “pelo menos 100.000 pessoas estão agora deslocadas ao longo da província”.

 

“Houve um aumento dramático dos ataques brutais por grupos armados nos últimos meses, mas a semanas mais recentes a serem o período de maior volatilidade desde que os incidentes começaram, em outubro de 2017. No total, pelo menos 28 ataques foram realizados na província desde o início do ano”, refere o ACNUR, num comunicado hoje divulgado.

 

A agência refere que os ataques atingiram nove dos 16 distritos da província, “numa das partes menos desenvolvidas de Moçambique”.

“Os grupos armados têm atacado aleatoriamente aldeias e aterrorizado a população local. Os que fogem falam de matanças, mutilações e tortura, casas incendiadas, cultivos e lojas destruídas”, narra a ACNUR, que diz ter conhecimento de decapitaçõesraptos e desaparecimentos de mulheres e crianças.

 

A agência assinala que, por vezes, os atacantes avisam as populações de onde vão realizar os ataques, “criando o pânico, quando as pessoas abandonam as suas aldeias”, deixando tudo e “não tendo tempo para levar os seus bens, alimentos ou documentos de identificação”.

 

Nesse sentido, o ACNUR aponta que os deslocados internos são muitas vezes obrigados a refugiar-se nas casas de famílias e amigos, “aumentando a pressão sobre os já escassos recursos locais”.

 

“Como resposta à situação humanitária que rapidamente se deteriora, e a pedido do Governo de Moçambique (…), o ACNUR está a expandir a sua presença na província para responder melhor às crescentes necessidades da população deslocada”, expôs a agência sediada em Genebra.

 

Assim, o ACNUR anunciou que “vai ajudar a coordenar todas as atividades de proteção”, através de uma parceria com o Governo moçambicano, destacando apoio adicional para ajudar, numa primeira fase, 15.000 deslocados internos e comunidades de acolhimento nas próximas semanas.

 

O ACNUR apelou também para “o apoio urgente e forte para aumentar a sua resposta em Moçambique”, tendo-se comprometido a alocar dois milhões de dólares (1,8 milhões de euros) numa primeira fase.

 

Os ataques armados na província de Cabo Delgado eclodiram em 2017 protagonizados por residentes, frequentadores de mesquitas consideradas “radicalizadas” por estrangeiros, segundo líderes islâmicos locais com os quais criaram atritos nos anos anteriores.

 

Segundo um relatório do governo provincial de Cabo Delgado consultado hoje pela Lusa, desde o início, os ataques afetaram já 156.400 pessoas, das quais 25.000 são crianças.

 

Nunca houve uma reivindicação da autoria dos ataques, com exceção para comunicados do grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico, que desde junho tem vindo a chamar a si alguns deles, com alegadas fotos das ações, mas cuja presença no terreno especialistas e autoridades consideram pouco credível.

 

Os ataques já provocaram pelo menos 350 mortos, além de deixar cerca de 60.000 afetados ou obrigados a abandonar as suas terras e locais de residência, de acordo com a mais recente revisão do plano global de ajuda humanitária das Nações Unidas.

 

A província de Cabo Delgado é aquela onde avançam as obras dos megaprojetos que daqui a quatro anos vão colocar Moçambique no ‘top 10’ dos produtores mundiais de gás natural e onde há algumas empresas e trabalhadores portugueses entre as dezenas de empreiteiros contratados por consórcios de petrolíferas.

 

Fonte: Planeta ZAP // Lusa

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

A Carne é Fraca