Minimizar a tela das próprias razões | TVFORENSE.com Televisão Para Dispositivos Móveis

Minimize a tela das próprias razões   Há quem pense ser dono das próprias ideias, ou das opiniões que tem formadas. Engano de presunçoso. Salvo estarmos reconhecidos entre os gênios do mundo, não é assim que funciona com a cabeça da gente. Comumente, n...

artigo, reportagem, documentário, vídeo, notas, colunista, opinião, critica, jornalismo, vídeos

Minimizar a tela das próprias razões

Publicado por: admin
29/01/2020 15:24:23
Courtesy Pixabay
Courtesy Pixabay

Minimize a tela das próprias razões

 

Há quem pense ser dono das próprias ideias, ou das opiniões que tem formadas. Engano de presunçoso. Salvo estarmos reconhecidos entre os gênios do mundo, não é assim que funciona com a cabeça da gente. Comumente, não há uma única crença, um único valor, um único costume que professemos que tenha sido escolha e, muito menos, concepção nossa.

 

Todos, ao nascermos, encontramos ideias já circulando no mundo. Algumas dessas ideias vão nos alcançar e preencher nosso acervo pessoal básico, a partir do qual formamos o entendimento das coisas e acontecimentos ao nosso redor.

 

O derredor nos fornece os elementos mentais com os quais abarcamos e vivemos o derredor. Desse modo, preservamos e tendemos a repetir um ambiente social. Esse ambiente social só aos poucos sofre modificações (hoje de modo mais acelerado que no passado), mais por conflitos de interesses que se chocam e alteram as coisas do que por vontade organizada.

 

Das nossas refregas com o mundo (uma resultante variável: algo como uma instável soma vetorial das diferentes forças ideológicas em conflito), o mundo se refaz “sozinho”. Muito pouco do mundo é refeito com intenção deliberada de alguém.

 

Com as ideias circulantes que nos alcançam (que nos são faladas) mais algum baralhamento entre elas, formamos (temos formadas, mais exatamente) nossas concepções e explicações de tudo no mundo. Eis aí os nossos conteúdos intelectuais, a nossa matéria de pensamento. Os que acreditam que suas ideias são “suas” ideias estão, pois, iludidos.

 

Já foi dito, há os sujeitos extraordinários. Salvo, porém, esses raros excepcionais pensadores que logram reformatar alguma coisa que já vem pensada de tempos, ou até mesmo criar algo, somos todos constituídos por ideias circulantes.

 

Esses pensamentos circulantes nos apetrecham e passamos a pensar escorados neles; habitualmente apenas os repetimos, passando-os empacotados adiante. Dificilmente há quem se volte a pensar sobre os próprios pensamentos. Algo assim como perguntar: por que penso o que penso, donde vêm minhas crenças? Não nos historicizamos.

 

Nada disso. Recebemos o embrulho e seguimos adiante, repassando-o para os que vêm vindo, sem nos inquirirmos sobre o seu sentido, a sua validade, a sua pertinência. Não avaliamos nossas ideias; não indagamos a validade de nossos valores.

 

É certo que convicções nos norteiam a vida: são referências para o entendimento do mundo, explicá-lo, vivê-lo. Não obstante, descabe a pretensão de que o meu pensamento é “meu”. É nada! O “meu” pensamento adveio de fora, tomou conta de mim e eu não me apercebo que ele se foi entranhando no meu cérebro e produzindo a minha consciência.

 

Assim, as minhas ideias serão as das minhas conjunturas. E não poderia ser de outra forma, pois somos um sistema de referências. Ninguém forma ideias particularmente. Ideias são coisas que circulam fora de mim, antes de se estabelecerem em mim.

 

O cotidiano me propicia conceitos semelhantes aos meus, o que reforça minhas circunstâncias em mim e me confirma como sou em minhas circunstâncias. Nós nos repetimos. Dificilmente pensamos “fora da caixinha”. Exatamente por isso apreciamos as nossas “bolhas” de internet, os nossos mundinhos em que todos pensam o que pensamos.

 

Não é simples substituir-se em seus próprios pensamentos. Alguém consegue passar-se a limpo? Se sim, não se extinguirá, mas se apurará. Referi, todavia, antes, sobre baralhar ideias que entram na nossa cabeça e, então, inventar ideias novas.

 

Quero significar melhor: se rearranjo algumas das ideias que o mundo colocou na minha cabeça, posso ter outras ideias além daquelas específicas que o mundo colocou na minha cabeça. Mas isso é uma operação um tanto complexa e requer mais do que uma declaração de vontade. “Caixinhas” mentais, habitualmente inflexíveis, não se atrevem ao diferente.

 

Assim, quem está repleto de compreensões e explicações simples, vai conseguir, quando muito, conjugar essas simplicidades umas com as outras e permanecer simples no resultado. A alternativa, portanto, é dar-se, justamente, ideias alternativas.

 

Aperfeiçoar-se a si. Esse desiderato faz algumas exigências: afora o viajar a outras culturas desvestido dos conceitos de partida, temos o ler, o estudar, o conversar, o assistir filmes mais complexos e bem estruturados sobre outros pensamentos que não os nossos. Eu teria que saber visitar, com esforço de despido de mim, outras explicações do mundo.

 

Não é coisa para pouca vontade, mas, se desejo isso e se consigo isso, vou jogando tintas de outras cores na tinta que define a minha cor ideativa. Aqui, contudo, temos que enfrentar um obstáculo epistemológico, ou de conhecimento do conhecimento.

 

A epistemologia nos adverte de que, ao visitar outros pensamentos, eu os vejo e analiso a partir dos pensamentos que estão instalados em mim. Seja: os meus pensamentos condicionam os meus pensamentos sobre outros (e os meus próprios) pensamentos. Eu filtro os pensamentos novos, pois os interpreto à luz do que já pensava; acabo intocado por eles.

 

O recurso é um esforço de equidistância (submissão a métodos). Isso, em se tratando de pensar pensamentos, é de difícil prática: teríamos que por sob suspeição o que pensamos, para ler, imparcialmente, outros pensamentos. Vale, contudo, intentar.

 

Não avento deletar os próprios arquivos mentais. Sugiro algo mais difícil: minimizar a tela das próprias razões. Então, o esforço honesto de se expor a outros saberes; o imergir curioso noutros argumentos. E, aí, ir recompondo as coisas. Sobra-se com mais e melhor. Não é simples, mas não é complicado. É apenas complexo, assim como o é o humano.

 

Por Léo Rosa de Andrade, escritor, professor, psicólogo e jornalista.

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

A Carne é Fraca