PODCAST: Polícia confirma terceira morte causada por substância tóxica na cerveja Belorizontina | TVFORENSE.com Televisão via Internet

Homem de 89 anos era morador da capital mineira; suspeita é que presença de dietilenoglicol nas bebidas teria provocado uma síndrome nefroneural em 18 pessoas em Minas Gerais   Por Israel Medeiros   Autoridades de Minas Gerais confirmaram, nesta quinta...

noticias, artigos, notas, releases, pautas, tv, acontecimentos, fatos, reportagens

PODCAST: Polícia confirma terceira morte causada por substância tóxica na cerveja Belorizontina

Publicado por: admin
16/01/2020 07:47:26
Foto: Gustavo Andrade/Divulgação Backer
Foto: Gustavo Andrade/Divulgação Backer

Homem de 89 anos era morador da capital mineira; suspeita é que presença de dietilenoglicol nas bebidas teria provocado uma síndrome nefroneural em 18 pessoas em Minas Gerais

 

Por Israel Medeiros

 

Autoridades de Minas Gerais confirmaram, nesta quinta-feira (16), mais uma morte ligada ao consumo da cerveja Belorizontina, da empresa Backer. A vítima foi um homem de 89 anos, morador de Belo Horizonte. Essa é a terceira morte em menos de dez dias em decorrência de intoxicação pela substância dietilenoglicol, presente em lotes da cerveja mineira.

Podcast

O caso ganhou notoriedade no dia 6 de janeiro, quando circularam na internet informações sobre uma doença desconhecida que afetava membros de uma mesma família. Quando descobriu-se que a causa do problema poderia ser a cerveja, a Backer classificou como mentirosas as mensagens. A primeira morte por intoxicação foi registrada em sete de janeiro, em Juiz de Fora.

 

A suspeita é que presença de dietilenoglicol nas bebidas teria provocado uma síndrome nefroneural em 18 pessoas no estado de Minas Gerais. Ela afeta os rins e pode prejudicar o sistema nervoso.

 

O dietilenoglicol é uma substância tóxica para consumo humano, normalmente utilizada em processos de refrigeração da cerveja durante o processo de fabricação. No entanto, a cervejaria Backer, dona do rótulo, afirma que utiliza um composto diferente nesse processo.

 

A fábrica foi interditada no último dia 10 pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para a realização de uma perícia em todos os lotes da cerveja. A diretora executiva da cervejaria Backer pediu publicamente para que ninguém consuma qualquer lote da Belorizontina até que os fatos sejam esclarecidos. Um dos lotes contaminados, o 1348, foi vendido, além de Minas Gerais, em São Paulo, Espírito Santo e no Distrito Federal.

 

Em comunicado divulgado em seu site, a cervejaria diz que “mantém o foco nos pacientes e em seus familiares e que prestará o suporte necessário, mesmo antes de qualquer conclusão sobre o episódio”. A nota diz também que a empresa colabora com as investigações e que aguarda os resultados de uma perícia independente que contratou. A Backer afirma ainda que não utiliza a substância dietilenoglicol em seu processo de produção.

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

A Carne é Fraca