Estamos “perigosamente próximos” de criar mini-cérebros sencientes | TVFORENSE.com Para Dispositivos Móveis

A pressa de estudar e entender os mistérios do cérebro pode obrigar a comunidade científica a violar as suas responsabilidades éticas, através dos vários testes que têm como objetivo criar substitutos cultivados artificialmente, alertam os cientistas. ...

pesquisa, mercado, índice, comportamento, consumidor, vigilância, testes, ciência

Estamos “perigosamente próximos” de criar mini-cérebros sencientes

Publicado por: admin
05/11/2019 09:18:18
Courtesy Pixabay
Courtesy Pixabay

A pressa de estudar e entender os mistérios do cérebro pode obrigar a comunidade científica a violar as suas responsabilidades éticas, através dos vários testes que têm como objetivo criar substitutos cultivados artificialmente, alertam os cientistas.

 

Os minicérebros, também conhecidos como organóides, tornaram-se num recurso muito importante na Neurociência nos últimos anos. No entanto, embora estes cérebros criados em laboratório e cultivados a partir de células estaminais não sejam tecnicamente considerados órgãos humanos ou animais, estão a tornar-se funcionalmente próximos o suficiente para justificar certas preocupações éticas.

 

Numa apresentação, que decorreu no maior encontro de neurocientistas do mundo, na semana passada, a equipa liderada por cientistas do Green Neuroscience Laboratory, em San Diego, defendeu que existe uma “necessidade urgente” de os investigadores desenvolveram uma estrutura de critérios capazes de estipular o que é a “senciência” – a capacidade para ter sensações ou impressões.

 

Os minicérebros estão a tornar-se muito parecidos com os nossos em termos de aparência, mas também muito semelhantes no que diz respeito aos substratos anatómicos, que estão a agora a aproximar-se muito da organização da rede local das estruturas encontradas em animais sencientes.

Nos últimos anos, os cientistas promoveram o minicérebro como uma alternativa económica e prática aos testes em animais. Organóides cultivados em pratos permitiram aos cientistas investigar as diferenças entre humanos e chimpanzés, e o ritmo acelerado segundo o qual este campo da Ciência está a evoluir assusta alguns especialistas.

 

Ohayon e os modelos computacionais da sua equipa sugerem que estamos “perigosamente perto” de desenvolver cérebros sencientes num prato, adianta o Science Alert.

 

“Apesar de sabermos que a complexidade e a diversidade de elementos celulares vivos permanecem incomparáveis, as culturas atuais já são isomórficas à estrutura e atividade cerebral senciente em domínios críticos e, portanto, podem ser capazes de apoiar atividades e comportamentos sencientes“, explicam os cientistas.

 

O Green Neuroscience Laboratory, nos Estados Unidos, é dirigido por Elan Ohayon e Ann Lam, dois neurocientistas que delinearam um “Roteiro para uma nova neurociência”: um conjunto de princípios éticos fundamentais projetados para excluir “metodologias tóxicas”, experiências em animais e métodos que violem os direitos, a privacidade e a autonomia de um indivíduo.

 

Na opinião destes especialistas, o estado atual de sofisticação da pesquisa em minicérebros significa que deveríamos oferecer os mesmos tipos de proteção aos organóides primitivos que podem ser complexos o suficiente para ter pensamentos e sensações.

 

Mas Ohayon e Lam não são os únicos a ter dúvidas. Num estudo publicado recentemente na Cell Stem Cell, neurocientistas da Universidade da Pensilvânia defendem que este campo precisa de diretrizes que hoje ainda não existem – especialmente no contexto das experiências nas quais os minicérebros cultivados em laboratório são transplantados para organismos hospedeiros de animais.

 

Fonte: Planeta ZAP //

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

A Carne é Fraca