Máfias e milícias são responsáveis por incêndios da Amazônia, conclui relatório | TVFORENSE.com Para Dispositivos Móveis

As queimadas associadas aos desmatamento da Amazónia resultam em grande parte da ação violenta de redes criminosas, conclui um relatório da Human Rights Watch.   Divulgado esta terça-feira, um relatório da Human Rights Watch conclui que as queimadas as...

noticias, artigos, notas, releases, pautas, tv, acontecimentos, fatos, reportagens

Máfias e milícias são responsáveis por incêndios da Amazônia, conclui relatório

Publicado por: admin
18/09/2019 08:05:50
Mato Grosso Firefighters / EPA
Mato Grosso Firefighters / EPA

As queimadas associadas aos desmatamento da Amazónia resultam em grande parte da ação violenta de redes criminosas, conclui um relatório da Human Rights Watch.

 

Divulgado esta terça-feira, um relatório da Human Rights Watch conclui que as queimadas associadas aos desmatamento da Amazónia resultam em grande parte da ação violenta de redes criminosas, enquanto o Governo brasileiro falha na proteção dos defensores e da própria floresta.

 

O desmatamento e as queimadas ilegais estão associados à ação de redes mafiosas que financiam maquinaria pesada e mão de obra e que contratam mílicias para intimidar quem se oponha, salienta a organização não-governamental.

 

Além disso, segundo o relatório, a situação não é alheia ao fato de o Governo de Jair Bolsonaro, desde que tomou posse, ter cortado 25% do orçamento do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o organismo encarregue de proteger a floresta amazónica. O corte levou à queda das multas ambientais e retirou poderes aos fiscais do Ibama, por exemplo.

 

O relatório – Máfias do Ipê: como a violência e a impunidade impulsionam o desmatamento na Amazônia brasileira – analisa a forma como o desmatamento ilegal por redes criminosas e as queimadas estão relacionados com atos de violência contra os defensores da floresta e com o fracasso do Estado em investigar e punir os responsáveis.

 

“Os brasileiros que defendem a Amazónia enfrentam ameaças e ataques por parte de redes criminosas envolvidas na extração ilegal de madeira”, afirma Daniel Wilkinson, diretor de direitos humanos e meio ambiente da organização, citado pelo Expresso. “A situação está a piorar com o Presidente Bolsonaro, cujo ataque aos órgãos de proteção do meio ambiente coloca em risco a floresta e as pessoas que ali vivem.”

 

De acordo com o relatório, “as redes criminosas têm a capacidade logística de coordenar a extração, o processamento e a venda de madeira em larga escala, enquanto empregam homens armados para intimidar e, em alguns casos, executar aqueles que tentam defender a floresta”.

 

Os incêndios “não ocorrem naturalmente no ecossistema húmido da bacia amazónica. São iniciados por pessoas como parte do processo de desmatamento, após removerem as árvores de maior valor. As queimadas espalham-se pelas pequenas clareiras e ramais abertos pelos madeireiros, onde a existência de vegetação mais seca e inflamável facilita a propagação do fogo na floresta tropical”, explica a Human Rights Watch.

 

A Human Rights Watch entrevistou mais de 170 pessoas, incluindo 60 membros de povos indígenas e outros moradores dos estados do Maranhão, Pará e Rondônia. Os investigadores entrevistaram também funcionários públicos em Brasília e na região amazónica.

 

Fonte: ZAP //

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

A Carne é Fraca