CEMIG novamente alvo da Polícia Federal | TVFORENSE.com Para Dispositivos Móveis

PF investiga desvios de valores em contrato com empresas do ramo de energia em Minas GeraisOperação E o vento levou apura irregularidades em contratos firmados entre empresas públicas e privadas   Por fatima.mfco São Pa...

pf, corrupção, quadrilha, prisão, delegado, operação, lava-jato, prf, armas, contrabando, merenda

CEMIG novamente alvo da Polícia Federal

Publicado por: admin
11/04/2019 10:17:31
Courtesy Pixabay
Courtesy Pixabay

PF investiga desvios de valores em contrato com empresas do ramo de energia em Minas Gerais

Operação E o vento levou apura irregularidades em contratos firmados entre empresas públicas e privadas

 

Por fatima.mfco

São Paulo/SP – A Polícia Federal deflagrou hoje (11/4), em São Paulo, a Operação “E o Vento Levou”, quarta fase da Operação Descarte, trabalho conjunto da PF, da Receita Federal e do Ministério Público Federal. Esta fase tem como objetivo apurar desvios de valores de contrato firmado entre empresas do ramo de energia, com posterior repasse de parte do recurso, por meio de superfaturamento de um contrato, para empresas privadas.

 

Policiais federais deram cumprimento a 26 mandados de busca e apreensão, em endereços das pessoas e empresas envolvidas com os fatos investigados, nas cidades de São Paulo/SP, Rio de Janeiro/RJ, Belo Horizonte/MG, Taubaté/SP, Nova Lima/MG e Mogi das Cruzes/SP. As medidas judiciais foram expedidas pela 2ª Vara Criminal da Justiça Federal de São Paulo.

 

No decorrer das investigações, foi apurado desvio de dinheiro de empresa mineira do ramo de energia, por meio do aporte de R$ 850 milhões de reais em outra empresa de mesma área de atuação. Esse recurso foi posteriormente repassado, por meio do superfaturamento de um contrato, para uma empresa privada e, em seguida, foi promovido a transferência de valores a várias outras empresas. De acordo com as investigações, parte do dinheiro repassado foi convertido em espécie e distribuído a diversas pessoas.

 

Nesta fase da operação, apura-se também a participação de executivos e acionistas de empreiteira e de empresas públicas envolvidas no esquema da fraude, além dos operadores financeiros e outras empresas usadas para escoar o dinheiro desviado.

 

Aos investigados poderão ser imputados, na medida de suas participações nos fatos, os crimes de Associação Criminosa (art. 288 do Penal), Peculato (art. 312 do Código Penal), Evasão de Divisas (art. 22 da Lei 7.492/86) e Lavagem de Dinheiro (art. 1º da Lei 9.613/98), e Falsidade Ideológica (art. 299 do Código Penal) cujas penas, somadas, poderão resultar em 9 a 38 anos de prisão.

 

Haverá uma coletiva à imprensa, na Superintendência Regional da Polícia Federal em São Paulo, às 11h.

 

Fonte: PF

 

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

A Carne é Fraca

Vídeos relacionados